Gostas genuinamente do que vês ao espelho?

Lê isto e responde-me no final.

Se eu não gostar de mim, quem gostará? Sim, acredita que é mesmo verdade! Se não gostares de ti, muito dificilmente os outros irão gostar! E de nada adiantará usares as marcas mais caras do mercado, os últimos acessórios que chegaram às lojas da avenida da liberdade, se internamente não sentires este amor incondicional por ti próprio.

É importante gostarmos do que vemos ao espelho. Mas sabe também que o que vestimos muda a perceção dos outros sobre nós, impactando até a nossa própria capacidade cognitiva e os nossos próprios comportamentos.

Ama-te

Amarmo-nos e respeitarmo-nos, assumirmos que somos seres singulares no universo, permite-nos aceitar as nossas perfeições e imperfeições tal como elas são, sem comparações — independentemente de sermos magras, gordas, altas ou baixas. E é exatamente isso que irá ditar a forma como nos sentimos e consequentemente, a forma como os outros olharão para nós e tirarão as suas próprias ilações!

A aceitação dessa nossa unicidade perante os outros, permite-nos desenvolver uma relação de amor inabalável com o nosso eu interior — e pode ditar e impactar positivamente a forma como os outros irão olhar para nós.

Aperfeiçoa-te

E se, por algum motivo, identificarmos características em nós que gostaríamos de melhorar, que esta decisão de mudança ou melhoria seja uma decisão consciente e ponderada, no sentido de melhorar a nossa autoestima e não apenas baseada em comparações superficiais em relação aos outros que nos rodeiam! Porque só assim poderemos ser seres mais genuínos, felizes e equilibrados, no mundo dominado pelas redes sociais onde as comparações são constantes e inevitáveis.

Essas mudanças podem passar pela alteração da nossa postura, a forma como falamos, a forma como nos vestimos e até a forma como tratamos os outros.

 

Usa as ferramentas a teu favor

E é aqui que a moda e a forma como usamos as roupas e os acessórios surge como uma verdadeira ferramenta importantíssima e que pode influenciar a forma como os outros olham para nós!

Mas de que forma o que vestimos pode ditar e até mudar a perceção dos outros sobre nós? Será a roupa, também uma ferramenta de comunicação? Ora, vejamos:

A roupa é uma ferramenta poderosíssima de comunicação e empowerment

A nossa roupa diz muito mais de nós do que aquilo que pensamos! Ela é uma ferramenta de comunicação que pode impactar positiva ou negativamente a mensagem que queremos transmitir ao outro.

Assim como pensamos para falar, também precisamos de pensar no que vestimos para comunicarmos de forma eficaz.

Aliás, são vários os estudos que mostram que a roupa tem uma influência na forma como os outros nos veem, sendo que muitos desses estudos revelam que mais de 50% da nossa comunicação é não verbal. Ou seja, mais de metade do que as pessoas absorvem sobre nós, vem do nosso visual e da nossa linguagem corporal e não do que falamos.

Esse dado é de fundamental pertinência, uma vez que, embora vivamos numa sociedade liberal, onde as pessoas muitas vezes afirmam erroneamente que temos a liberdade de nos vestirmos como bem entendermos, a verdade é que respeitar determinados códigos só abonará a nosso favor.

 

TU ÉS TUDO ISTO:

Quando alguém olha para ti, vê um conjunto de coisas (roupas, postura, a forma de andar, etc.) antes mesmo de começares a falar. Isto significa que ela já fez um pré-julgamento a teu respeito. Então, como não ter em atenção e pensar estrategicamente a roupa que vestes? Aliás, está provado que a primeira imagem é aquela que acaba por ficar como primeira impressão e dificilmente as pessoas mudam essa ideia inicial.

É óbvio que não temos de ficar paranóicos, a pensar no que as outras pessoas irão pensar de nós, quando chegamos a um evento, quando vamos a uma entrevista de emprego ou quando vamos dar uma talk, ou até se vamos sair pela primeira vez com uma pessoa. Mas concordamos que todos nós queremos causar uma boa impressão, certo?

Não é por acaso que os organizadores de eventos acabam enviando informações sobre o dresscode, para que a nossa imagem esteja adequada ao contexto.

Senão, vejamos. Se vais a uma entrevista de emprego num escritório de advogados, é bem provável que escolhas um fato e vistas a rigor, tendo em conta a imagem formal que essa empresa transmite no seu site. Mas imagina ires a uma entrevista de emprego para um cargo de criativo numa agência de marketing digital, muito provavelmente, avaliarias muito bem a empresa para decidires se optaria pelo mesmo fato.

Ou seja, é importante nós definirmos de forma consciente e estratégica, que imagem queremos projetar no outro e vestirmo-nos em função disso.

 

QUE IMAGEM QUERES PASSAR?

Uma imagem de liderança, de originalidade, de segurança, confiança, poder, romantismo, originalidade, dinamismo, diversão? Dependendo da imagem que queres transmitir, escolhe a roupa de forma estratégica em função disso!

Sim! A roupa é uma ferramenta poderosíssima de empowerment! A partir do momento em que a nossa imagem está em total coerência com a mensagem que queremos passar, já temos pelo menos 50% de possibilidade de cativar o nosso interlocutor, quando finalmente abrimos a boca para começar a falar.

Deixe uma resposta